Cirurgia de Retina e Vítreo

Quando a retina se descola da parede do globo ocular, sua capacidade de captar a luz fica prejudicada e a visão perde a nitidez. Em casos de descolamento total, a retina deixa de transmitir imagens ao cérebro e a visão desaparece.

A doença ocorre com maior freqüência após os 40 anos e as pessoas que apresentam maior possibilidade de desenvolvê-la são as que possuem história de descolamento de retina na família, ou que tenham alta miopia ou glaucoma, ou ainda as que se submeteram à cirurgia de catarata. Traumas oculares ou acidentes que resultem em ferimento, pancada ou batida forte no olho, na face ou na cabeça, também podem provocar o descolamento de retina.

A doença pode ser causada ainda por tumores, inflamações graves ou complicações do diabetes. Nessas situações, geralmente, não ocorrem rupturas retinianas e o tratamento da moléstia causadora do descolamento faz com que a retina volte à sua posição normal.

CIRURGIA:

As rupturas na retina devem ser tratadas o mais rapidamente possível, com laser ou por crioterapia, para evitar que o descolamento venha a ocorrer. Os dois tratamentos criam uma espécie de cicatriz que sela a ruptura, aderindo a retina à parede do globo ocular, impedindo que o vítreo se infiltre atrás da retina. Ambos causam pouco ou nenhum desconforto e podem ser realizados em regime ambulatorial.

A maioria dos descolamentos de retina pode ser tratada com as modernas técnicas cirúrgicas destinadas a pressionar a parede do globo ocular contra as rupturas, mantendo os tecidos juntos, até que ocorra a cicatrização da região. A técnica escolhida pelo cirurgião dependerá das características do caso e do dano ocorrido.

O procedimento é realizado em centro cirúrgico, sob anestesia local ou geral, (crianças e portadores de necessidades especiais), conforme o caso. O período de internação varia de acordo com a determinação do cirurgião – na maioria das vezes, o paciente é liberado para fazer o repouso em casa.

A Retinopexia Pneumática é uma das técnicas cirúrgicas para tratar o descolamento da retina. Nessa técnica, é realizada a introflexão escleral com uma faixa de silicone, que é fixada ao redor do globo ocular, empurrando-o suavemente contra a retina.

Nos descolamentos mais complexos pode haver a necessidade de Vitrectomia Posterior. Nesse tipo de cirurgia, o vítreo é removido do globo ocular e, se tiver ocorrido um encolhimento ou enrugamento grave na retina, ele é pressionado de volta contra a parede do globo ocular e a cavidade do globo é preenchida temporariamente com uma bolha de gás ou com o implante de óleo de silicone.